quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

Reflexão # 110 - A Trama das Relações #1

imagem retirada da internet 

Quando estamos emocionalmente envolvidos numa trama, a mente assume com muita força a existência dos heróis, os vilões, os malfeitores, os benfeitores e por aí vai. Dependendo do personagem que mais nos alicia, procuraremos no mundo interno e externo a energia que o alimente, pois sem ele comprometo a identidade que criei, o papel, o propósito de viver e por aí vai. Com toda a lógica e de forma bem inconsciente, coloco-me num jogo de dependência que naturalmente é frágil e volátil. Em momentos de grandes perdas e com uma mente não preparada para o tranco, é quase instinto de sobrevivência procurar o fôlego, a mão que nos ajude a descobrir uma nova força, motivação para seguir em frente. Quando presos na roda da vida, no samsara, como falamos na tradição védica e também no budismo, é muito natural procurar a situação que tape aparentemente o buraco que uma perda nos traz. Então, será muito excitante novas relações, novas experiências, novas amizades, novos projectos, novas dinâmicas e elas estarão super ampliadas pela natural carência e necessidades humanas. Dependendo do universo mental de cada um, veremos as mais diversas formas de se apresentar diante do mundo, pessoas, vida. Quando procuramos por autoconhecimento não procuramos fugir da limitação e condicionamento humano, senão ganhar a consciência de tal, a maestria na acção para se relacionar com o fenómeno e o entendimento de que a natureza fundamental do individuo é livre diante desse processo. Quando isso ocorre, estamos na descoberta da fonte de energia vital que nos dá a mão para nos retirar de um jogo de dependência, manipulação, vitimização e etc. Ao conectar-se com essa realidade, estamos a ter oportunidade de ver com clareza onde nos emaranhamos, de onde nos queremos desenvencilhar, como podemos fazer diferente, a descobrir prazeres e desejos mais profundos que nos dão a força necessária para ir largando velhos padrões e tendências. Profundamente, quando nos colocamos diante deste compromisso em crescer, amadurecer, descobrir o real propósito da vida, estamos numa relação intima com nós mesmos que não se opõe a nenhum outro tipo de relação. De verdade, quando procuro relacionar-me intimamente e com maturidade com um outro, estou a desejar tê-la comigo mesmo. Quando assim é, nenhuma interacção é superficial e sempre convida a um agradecimento. As experiências deixam de ter o drama fatídico para passarem a ser o material de estudo que nos ajudam a posicionar diante do que gosto, não gosto, quero e não quero, preciso ou não. Escutar isso com presença e amor é oferecer aos demais a integridade e dignidade que toda e qualquer relação deve ter.  
HarihOm
Sónia A. 

Sem comentários:

Enviar um comentário